Tuberculosis in elderly people from the state of Maranhão: contribution to the control program / Tuberculose em idosos no Maranhão: contribuição para o programa de controle

Leticia Ferreira da Silva, Elza Lima da Silva, Tereza Cristina Silva, Arlene de Jesus Mendes Caldas

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil e identificar os fatores associados à tuberculose em idosos no Maranhão no período de 2010 a 2015. Métodos: Estudo transversal analítico com os casos de tuberculose em idosos no Estado do Maranhão. Foram utilizados dados secundários do SINAN, disponíveis no Datasus. Para identificar as associações entre o desfecho (tuberculose em idosos) e as variáveis independentes utilizou-se a regressão de Poisson. Resultados: Após o ajuste do modelo a escolaridade ˂8 anos de estudo, ter encerramento por não cura , exame anti HIV não realizado  e ter diabetes apresentaram–se como fator que aumenta a chance da ocorrência de tuberculose em idosos. As demais variáveis apresentaram-se como fator protetor. Conclusão: Foi observada alta prevalência de tuberculose em idosos no Estado (16,6%). Há necessidade de se adotar estratégias de acompanhamento dessa clientela.

 


Palavras-chave


Tuberculose; Idosos; Fatores de risco

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciências, Tecnologias e Insumos Estratégicos. Detectar, tratar e curar: desafios e estratégias brasileiras frente à tuberculose. Boletim Epidemiológico, Brasília, DF, 2015; 46(9): 1-19. 2. Gabardo BMA. Sintomáticos respiratórios em município de elevada incidência de tuberculose. Curitiba. Tese [Doutorado] – Universidade Federal do Paraná; 2014. 3. World Health Organization. Global Tuberculosis report. Geneve; 2014. 4. Busatto C, Reis AJ, Valim ARM, Nunes LS, Carneiro M, Possuelo LG. Tuberculose ativa versus Tuberculose Latente: uma revisão de literatura. Journal Infection Control, Rio Grande do Sul, 2015; 4(3): 60-4. 5. Grosch CA, Nascimento EL, Nascimento KS, Diniz RM, Pacheco WB, Sauaia BA. Prevalência da tuberculose no Maranhão. Revista de Investigação Biomédica, São Luís, 2015; 7(1): 28-34. 6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Panorama da tuberculose no Brasil: indicadores epidemiológicos e operacionais. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014. 7. Coêlho DMM, Moita Neto JM, Campelo V. Comorbidades e estilo de vida de idosos com tuberculose. Revista Brasileira de Promoção da Saúde, Fortaleza, 2014 jul./set. 27(3): 327-32. 8. Farias TEBA, Luz APRG, Carneiro RO, Nascimento MRB, Silva TC. Tuberculose na pessoa idosa: características importantes para o controle da doença e processo do cuidar em enfermagem. In: Anais do 4º Congresso Internacional de Envelhecimento Humano; 2015; Campina Grande. Campina Grande: CIEH; 2015. 9. Palmeira AML. Perfil epidemiológico da tuberculose em idosos no Distrito Federal - 2003 a 2013. Brasília. Dissertação [Mestrado em Gerontologia] - Universidade Católica de Brasília; 2014. 10. Chaves AEP, Medeiros SM, Lana, FCF, Oliveira AR, Araujo KMFA. Doenças negligenciadas no Estado da Paraíba: características da tuberculose e hanseníase na população de idosos. In: Anais do 4º Congresso Internacional de Envelhecimento Humano; 2015; Campina Grande. Campina Grande: CIEH; 2015. 11. Cavalcanti ZR. Tuberculose em idosos no recife-uma contribuição para o programa de controle. Recife. Dissertação [Mestrado] - Universidade Federal de Pernambuco; 2005. 12. Campani STA, Moreira JS, Tietbohe CN. Fatores preditores para o abandono do tratamento da tuberculose pulmonar preconizado pelo Ministério da Saúde do Brasil na cidade de Porto Alegre (RS). Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, 2011; 37(6): 776-82. 13. Severo NPF, Leite CQF, Capela MV, Simoes MJS. Características clínico-demográficas de pacientes hospitalizados com tuberculose no Brasil, período de 1994 a 2004. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, 2007; 33(5): 565-71.

Fonseca MG, Bastos FI, Derrico M, Andrade CLT, Travassos C, Szwarcwald CL. AIDS e grau de escolaridade no Brasil: evolução temporal de 1986 a 1996. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2000; 16(1): 77-87. 15. Orofino RL, Brasil PEA, Trajman A, Schmaltz CAS, Dalcolmo M, Rolla VC. Preditores dos desfechos do tratamento da tuberculose. Jornal Brasileiro de Pneumologia, Brasília, DF, 2012; 38(1): 88-97. 16. Alves RH, Reis DC, Viegas AM, Neves JAC, Almeida TAC. Epidemiologia da tuberculose no município de Contagem, Minas Gerais, Brasil, entre 2002 e 2011. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Florianópolis 2014; 4(2): 146-53. 17. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciências, Tecnologias e Insumos Estratégicos. Doenças negligenciadas: estratégias do Ministério da Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2010. 18. Basta P, Marques M, Oliveira RL, Cunha EAT, Resendes APC, SouzaSantos R. Desigualdades sociais e tuberculose: análise segundo raça/cor, Mato Grosso do Sul. Revista Saúde Pública, São Paulo, 2013; 47(5): 854-64. 19. Siqueira HR. Enfoque clínico da tuberculose pulmonar. Pulmão RJ,

Rio de Janeiro, 2012; 21(1): 15-18. 20. Sá LD, Scatena LM, Rodrigues RAP, Nogueira JÁ, Silva AO, Villa TCS. Porta de entrada para diagnóstico da tuberculose em idosos em municípios brasileiros. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, 2015; 68(3): 408-14. 21. Eduardo LS, Silva BN, Santos JF, Vieira JKS, Véras GCB. Panorama dos casos de Tuberculose em Idosos na Região Nordeste do Brasil. In: Resumos do 1º Congresso Nacional de Envelhecimento Humano; 2016; Campina Grande. Campina Grande: CIEH; 2016. 22. Gouveia GPM, Gouveia SSV, Bezerra Filho JG, Oliveira JBB. Estudo epidemiológico da tuberculose pulmonar no hospital Penitenciário e sanatório professor Otávio Lobo no período de 2001-2006. Revista Baiana de Saúde Púbica, Salvador, 2010; 34(3): 602-11. 23. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Programa Nacional de Controle da Tuberculose. Manual de Recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011. 24. Pizzol D, Di Gennaro F, Chhaganlal KD, Fabrizio C, Monno L, Putoto G, Saracino A. Tuberculosis and diabetes: current state and future perspectives: revisão sistemática. Tropical Medicine and International Health, Oxford, 2016; 21(6): 694-702. 25. Oliveira AAV, Sá DL, Nogueira JA, Andrade SLE, Palha PF, Villa TCS.

Diagnóstico da tuberculose em pessoas idosas: barreiras de acesso relacionadas aos serviços de saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, 2013; 47(1): 145-51. 26. Barros PG, Pinto ML, Silva TC, Silva EL, Figueiredo TMRM. Perfil Epidemiológico dos casos de Tuberculose Extrapulmonar em um município do estado da Paraíba, 2001-2010. Cadernos de Saúde Coletiiva, Rio de Janeiro, 2014; 22(4): 343-50. 27. Silva PLN, Santos AG, Amaral EO, Versiani CMC, Chagas RB, Macedo LP. Aspectos epidemiológicos dos pacientes notificados com Tuberculose na cidade de Montes Claros/MG no período de 2007 a 2009. Revista Norte Mineira de Enfermagem, Montes Claros, 2012; 1(1): 45-53. 28. Chaves EC, Carneiro ICRS, Santos MIPO, Sarges NA, Neves EOS. Aspectos epidemiológicos, clínicos e evolutivos da tuberculose em idosos de um hospital universitário em Belém, Pará. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, 2017; 20(1): 47-58. 29. Oliveira HMMG, Ribeiro FCV, Bhering ML, Rufino-Netto A, Kritski AL, Lopes AJ. Tuberculose no idoso em hospital de referência. Pulmão RJ, Rio de Janeiro, 2005; 14(3): 202-07. 30. Paula PF. Fatores associados à recidiva, ao abandono e ao óbito no retratamento da tuberculose pulmonar. São Paulo. Tese [Doutorado] - Faculdade Saúde Pública da USP; 2008. 31. Barreira D. (Coord.). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim eletrônico epidemiológico, Brasília, DF, 2010; (11). 32. Oliveira HB, Marín-León L, Cardoso JC. Perfil de mortalidade de pacientes com tuberculose relacionada à comorbidade tuberculose-Aids. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 2004; 38(4): 503-10. 33. Muniz J, Ruffino-Netto A, Villa TCS, Yamamura M, Arcencio R, Cardozo-Gonzales RI. N et al. Aspectos epidemiológicos da co-infecção tuberculose e vírus da imunodeficiência humana em Ribeirão Preto (SP), de 1998 a 2003. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, 2006; 32(6): 529-34.

Received in: 29/10/2017 Required revisions: did not have Approved in: 18/01/2018 Published in: 01/07/2019

Corresponding author Leticia Ferreira da Silva Address: Rua Mendes Frota SN, Condomínio Enseada

do Atlântico casa 03, quadra 14, Bairro olho D’água,

São Luis, Maranhão, Brazil Zip Code: 65.065-100 E-mail address: leticiafds_1@hotmail.com Telephone numbers: +55 (98) 9 8195-5131

Disclosure: The authors claim

to have no conflict of interest.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Análise da situação de saúde no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006. 35. Braga JU. Vigilância epidemiológica e o sistema de informação da tuberculose no Brasil, 2001-2003. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 2007; 41:77-88. Suplemento 1. 36. Chaimowicz F, Miranda SS. Tuberculose pulmonar. In: Freitas EV; Py L. Tratado de geriatria e gerontologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2011. p. 644-656. 37. Yamamura M, Santos Neto M, Freitas IM, Rodrigues LBB, Popolin MP, Uchoa SAC, Fronteira I. Tuberculose e iniquidade social em saúde: uma análise ecológica utilizando técnicas estatísticas multivariadas, São Paulo, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, Washington, DC, 2014; 35(4): 270-77. 38. Caron-Ruffino M, Ruffino-Netto A. Associação entre alcoolismo e tuberculose pulmonar. Revista de Saúde Pública, São Paulo, 1979; 13(3): 183-94. 39. Banner AS. Pulmonary function in chronic alcoholism. The American Review of Respiratory Disease, New York, 1973; 108(4):851-57. 40. Silva PF, Moura GS, Caldas AJM. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose pulmonar no Maranhão, Brasil, no período de 2001 a 2010. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2014; 30(8):1745-54. 41. Husain MO, Dearman SP, Chaudhry IB, Rizvi N, Waheed W. The relationship between anxiety, depression and illness perception in tberculosis patients in Pakistan. Clinical Practice and Epidemiology in Mental Health, London, 2008;4(1). 42. Ludemir AB, Melo FDA. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Revista de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2002; 36(2): 213-21. 43. Lopes CSE, FaersteinI E, ChorII D. Eventos de vida produtores de estresse e transtornos mentais comuns: resultados do Estudo Pró-Saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2003; 19(6): 1713-20. 44. Coelho FMC, Pinheiro RT, Horta BL, Magalhães PVS, Garcias CMM, Silva CV. Transtornos mentais comuns e enfermidades crônicas em adultos: estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2009; 25(1): 59-67. 45. Cavalcante EFO, Silva DGV. Perfil de pessoas acometidas por tuberculose. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, 2013; 14(4): 720-29.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.1088-1095 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge