Epidemiological profile of users served on health action in the coastal lowlands of Rio de Janeiro /

Jéssica Rodrigues Lopes, brunno lessa saldanha xavier, Fernanda Maria Vieira Pereira

Resumo


Objetivo: Identificar o perfil epidemiológico dos usuários atendidos em ação de saúde na Baixada Litorânea do Rio de Janeiro. Método: Trata-se de um estudo descritivo, retrospectivo, exploratório de natureza quantitativa que utilizou como delineamento a pesquisa documental por meio da análise de dados secundários. Resultados: Foram avaliados 746 registros, com prevalência do sexo feminino (69,7%), idade entre 20 e 29 anos(41,6%), ensino superior incompleto (63,9%) e estado civil solteiro (69,4%). O sexo masculino apresentou uma média mais elevadas de níveis pressóricos quando comparado com as mulheres. Evidenciou-se que com o avançar da idade e baixa escolaridade, maiores são os níveis de pressão arterial e glicêmicos. Conclusão: Estudos que ampliam o conhecimento sobre o perfil epidemiológico de uma população representam uma ferramenta importante para subsidiar o cuidado em saúde.


Palavras-chave


Enfermagem

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Fagundes CN, Corso ACT, González-Chica DA. Perfil epidemiológico de hipertensos e diabéticos cadastrados na atenção básica em saúde, florianópolis – sc. RevPesq Saúde. 2017 [acesso 22 de maio de 2018]; 18(1):28-34.Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/revistahuufma/article/view/7877/4871

World Health Organization. Noncommunicable Diseases Progress Monitor, 2017.Geneva: WHO; 2017 [acesso22 de maio de 2018].Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/258940/9789241513029-eng.pdf;jsessionid=D2BBCB2739ACF51131DA8A5E399F0F4A?sequence=1

Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE (Brasil). Pesquisa Nacional de Saúde: Percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2014[ acesso 22 de maio de 2018]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf

Freitas PS, Matta SR, Mendes LVP, Luiza VL, Campos MR. Uso de serviços de saúde e de medicamentos por portadores de hipertensão e diabetes no município do rio de janeiro, brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2018 [acesso 18 de outubro de 2018]; 23(7):2383-2392.Disponível em: http://ref.scielo.org/mf83db

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2017: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [acesso 18 de outubro de 2018]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2017_vigilancia_fatores_riscos.pdf

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Araújo SSC, Silva MMA, Freitas MIF, et al. Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da Pesquisa Nacional de Saúde no Brasil. Rev Saúde Pública. 2017 [acesso 23 de maio de 2017]; 51 Supl 1:4s. Disponível em: http://ref.scielo.org/rbbtr2

Sato TO, Fermiano NTC, Batistão MV, Moccellin AS, Driusso P, Mascarenhas SHZ. Doenças crônicas não transmissíveis em usuários de unidades de saúde da família – prevalência, perfil demográfico, utilização de serviços de saúde e necessidades clínicas. Rev Brasileira de Ciências da Saúde. 2017 [acesso 20 de junho de 2018]; 21(1):35-42. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/26510/16433

Guibu IA,Moraes JC, Guerra Junior AA, Costa EA, AcurcioFA,Costa KS, et al.Características principais dos usuáriosdos serviços de atenção primária à saúdeno Brasil. Revista de Saúde Pública. 2017acesso 22 de novembro de 2018]51 Supl 2:17s. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51s2/pt_0034-8910-rsp-S1518-51-s2-87872017051007070.pdf

Botton A, Cúnico, SD, Strey MN. Diferenças de gênero no acesso aos serviços de saúde: problematizações necessárias. Mudanças - Psicologia da Saúde. 2017 [acesso 30 de julho]; 25(1):67-72. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/view/7009/5608

Friedlander MR, Guimarães CRR, Fabichacki E. O perfil do usuário de uma unidade básica desaúde integrada a uma faculdade privada. Revista Desafios. 2016 [acesso 25 de agosto de 2018] 3(02):03-13. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/2055

Arruda NM, Maia AG, Alves LC. Desigualdade no acesso à saúde entre as áreasurbanas e rurais do Brasil: uma decomposiçãode fatores entre 1998 a 2008. Cad. Saúde Pública. 2018 [acesso 16 de novembro de 2018]; 34(6):e00213816. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n6/1678-4464-csp-34-06-e00213816.pdf

Santos ABV, Barreto VP, Oliveira SM, Gomes CAM, Viana KM, Brasil BO, et al. Perfil epidemiológico da hipertensão arterial sistêmica na população de cajazeiras, Paraíba. Rev Brasileira de Ciências da Saúde. 2013 [acesso 18 de outubro de 2018]; 17(3):253-262. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/13083/9807

Chagas JAS, Almeida, ANF. Caracterização epidemiológica de pacientes hipertensos usuários de uma unidade básica de saúde da região norte. Estação Científica. 2016 [acesso 18 de outubro de 2018]; 6(2): 105-116. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/estacao/article/view/2721/jassicav6n2.pdf

Dantas RCO, Paes NA, Silva ATMC, Valenti VE, Mora JAO, Chambrone JZ, et al. Determinantes do controle da pressão arterial em homens assistidos na atenção primária à saúde. O mundo da saúde. 2016 [acesso 23 de outubro de 2018]; 40(2):249-256. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/controle_pressao_arterial.pdf

Radovanovic CAT, Santos LA, Carvalho MDB, Marcon SS. Hipertensão arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Rev Latino-Am Enfermagem. 2014 [acesso 23 de outubro de 2016]; 22(4):547-553. Disponível em: http://ref.scielo.org/qc8ktd

Macedo JL, Assunção FD, Pereira IC, Oliveira ASSS, Assunção MJSM. Perfil epidemiológico da hipertensão arterial em um município maranhense. ReonFacema. 2017 [acesso 26 de outubro de 2018]; 3(4):693-698. Disponível em: http://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/view/250/148

Araújo Filho ACA, Almeida PD, Araújo AKL, Sales IMM, Araújo TME, Rocha SS. Perfil epidemiológico do diabetes mellitus em um estado do nordeste brasileiro. RevFundCare Online. 2017 [acesso em 26 de outubro de 2018]; 9(3):641-647. Disponível: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/5531/pdf_1

Iser BPM, Stopa SR, Chueiri PS, Szwarcwald CL, Malta DC, Monteiro HOC, et al. Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da pesquisa nacional de saúde 2013. EpidemiolServ Saúde. 2015 [acesso 28 de outubro de 2018]; 24(2):305-314.Disponível em: http://ref.scielo.org/xmj44k

Sousa LL, Alves ELM, Valle ARMC, Lago EC. Análise do perfil epidemiológico de idosos hipertensos cadastrados no programa hiperdia. RevEnferm UFPE. 2016 [acesso 30 de outubro de 2018]; 10(3):1407-1414. Acesso em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/11081/12523

Pereira C, Marinho M, Cassola T, Seerig AP, Mussoi TD, Blumke AC. Perfil epidemiológico de hipertensos e diabéticos em uma estratégia da saúde da família de santa maria/rs. Ciências da Saúde. 2014 [acesso 30 de outubro de 2018]; 15(2):195-203. Disponível em: https://www.periodicos.unifra.br/index.php/disciplinarumS/article/view/1078/1022

Lima RN. Desigualdades sociais na prevalência das doenças crônicas e nas limitações das atividades diárias que causam: uma análise da população brasileira. Dissertação [Mestrado em Saúde Coletiva] – Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.

Schultz CP, Guerini E, Oliveira MR, Oliveira ACDC. Perfil epidemiológico dos servidores de uma instituição federal de ensino superior do sul do brasil. Rev Brasileira de Tecnologias Sociais. 2016 [acesso 3 de novembro de 2018]; 3(1):25-40. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rbts/article/view/9747/5479




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.8386 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge
SCImago Institutions Rankings