A IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO DAS REAÇÕES ADVERSAS MEDICAMENTOSAS PARA UM CUIDADO LIVRE DE DANOS À CLIENTELA PEDIÁTRICA.

Autores

  • Marina Andrade de Castro Universidade Federal Fluminense
  • Liliane Pinheiro de Mello UFF
  • Tathiana Silva de Souza Martins UFF
  • Luciana Rodrigues da Silva UFF
  • Zenith Rona Silvino UFF

DOI:

https://doi.org/10.9789/2175-5361.2010.v0i0.%25p

Palavras-chave:

enfermagem pediátrica

Resumo

INTRODUÇÃO

Reação adversa medicamentosa é uma resposta a um medicamento que seja prejudicial, não-intencional e que ocorre em doses normalmente utilizadas no ser humano. Seus riscos aumentam em pacientes submetidos a polifarmácia e essas são causas significativas de hospitalização, de aumento do tempo de permanência hospitalar e, até mesmo, de óbito. Além disso, ela afeta negativamente a qualidade de vida do paciente, influencia na perda de confiança do paciente para com a equipe de enfermagem, aumenta custos, podendo também atrasar os tratamentos, uma vez que pode assemelhar-se a enfermidades. A rotina da medicação ocupa posição estratégica na precipitação de interações e reação adversa medicamentosa. Em alguns casos o tratamento da reação adversa medicamentosa inclui novos medicamentos na terapêutica, elevando o risco de cascata iatrogênica. Ironicamente, a maioria da literatura relativa ao assunto é direcionada aos médicos e farmacêuticos, cujo foco principal de discussão é o medicamento, pouco discorrendo sobre o processo da administração do medicamento e a importância da equipe de enfermagem. Aliando o contexto supracitado ao dia-a-dia na Unidade Pediátrica de um Hospital Universitário localizado no Município de Niterói percebeu-se que a equipe de enfermagem apresentava dificuldade em diferenciar sinais e sintomas característicos da reação adversa medicamentosa  ou oriundos dos processos patológicos.

OBJETIVOS

Identificar os principais medicamentos utilizados na unidade pediátrica do Hospital Universitário e analisar o conhecimento da equipe de enfermagem da unidade pediátrica do Hospital Universitário em relação à reação adversa medicamentosa.

METODOLOGIA

Trata-se de pesquisa exploratória descritiva com tratamento quantitativo dos dados. Os dados foram coletados no ano de 2009 e utilizou-se: formulário para identificação dos principais fármacos e questionário junto aos membros da equipe de enfermagem. Pesquisa foi aprovada pelo Comitê de ética do Hospital Universitário Antônio Pedro sob o nº 0216.0.258.000-09.  A análise de dados utilizada foi à estatística descritiva, sendo expressos por meio de percentual, média e desvio padrão. Sendo o critério de exclusão o desejo dos sujeitos não participarem da pesquisa.

RESULTADOS

Identificou-se como principais grupos de medicamentos: antimicrobianos, antifúngicos, diuréticos, antiácidos, analgésicos, imunossupressores, anti-hipertensivos, corticoesteróides sistêmicos, broncodilatadores, anticonvulsivantes, antidepressivos, antimiastenicos, antieméticos, anti-histaminicos, antimaláricos, anticoagulantes, antipsicóticos, corticóides, hormônio tireóide, vasoconstritores e hipertensor, suplemento de cálcio e vitamina. No que tange à equipe de enfermagem constatou-se que a mesma não sabia como identificar os sinais e sintomas característicos da reação adversa medicamentosa dos fármacos utilizados na clientela pediátrica, os conceitos inerentes as reações adversas medicamentosas / Interação Medicamentosa/ Efeito Colateral e a intervenção adequada frente à reação adversa medicamentosa. É importante lembrar que os sujeitos da pesquisa desconheciam a existência do impresso de farmacovigilância. Isto acarreta a não informação do fato a gerência de risco e consequentemente a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância e Saúde).

 

 

CONCLUSÕES

Diante do exposto, entende-se que é preciso modificar a postura da equipe de enfermagem diante da terapia medicamentosa, em especial a reação adversa medicamentosa, para que haja uma assistência livre de danos à clientela pediátrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Andrade de Castro, Universidade Federal Fluminense

Discente do curso de Graduação em Enfermagem da EEAAC/UFF

Liliane Pinheiro de Mello, UFF

Discente do curso de Graduação em Enfermagem da EEAAC/UFF

Tathiana Silva de Souza Martins, UFF

Pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Cidadania e Gerência na Enfermagem (NECIGEN) da UFF

Luciana Rodrigues da Silva, UFF

Professora assistente do departamento de enfermagem Materno-infantil e Psiquiatria da Escola de enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAAC)/ Universidade Federal Fluminense (UFF). Pesquisadora do Núcleo de Pesquisas em Cidadania e Gerência na Enfermagem (NECIGEN) da UFF

Zenith Rona Silvino, UFF

Coordenadora do  Nucleo de Pesquisa em Cidadania e Gerência na Enfermagem (NECIGEN) da UFF

Downloads

Publicado

2010-12-27

Como Citar

1.
de Castro MA, de Mello LP, Martins TS de S, da Silva LR, Silvino ZR. A IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO DAS REAÇÕES ADVERSAS MEDICAMENTOSAS PARA UM CUIDADO LIVRE DE DANOS À CLIENTELA PEDIÁTRICA. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online) [Internet]. 27º de dezembro de 2010 [citado 20º de maio de 2024];. Disponível em: https://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/1161

Edição

Seção

Revisão Sistemática de Literatura

Plum Analytics