Intra-family violence against childrenand adolescents: the role of nursing / Violência intrafamiliar contra criança e adolescente: o papel da enfermagem

Main Article Content

Rodrigo Jácob Moreira de Freitas
http://orcid.org/0000-0002-5528-2995
Catariny Lindaray Fonseca de Lima
http://orcid.org/0000-0002-3725-6881
Tereza Amélia de Morais Costa
http://orcid.org/0000-0003-0959-3896
Andressa de Sousa Barros
http://orcid.org/0000-0003-2493-9090
Natana Abreu de Moura
http://orcid.org/0000-0002-2517-9946
Ana Ruth Macêdo Monteiro
http://orcid.org/0000-0002-1130-1293

Resumo

Objetivo:  compreender a assistência do enfermeiro diante das crianças e adolescentes vítimas de violência intrafamiliar. Método: pesquisa descritiva de abordagem qualitativa, realizada em quatro unidades básicas de saúde de um município de médio porte do Nordeste brasileiro. A coleta de dados foi realizada através de entrevista semiestruturada, seguindo roteiro norteador, com oito enfermeiros do setor. Os dados foram analisados através da técnica do discurso do sujeito coletivo. Resultados: os enfermeiros compreendem o que é violência intrafamiliar, conhecem os tipos de violência e como identificar na sua prática. Acreditam que o papel do enfermeiro é ouvir e orientar os pais, notificar e acionar os órgãos responsáveis. Ainda relatam que o município é carente em capacitação de profissionais acerca desse assunto. Conclusão: sugere-se que um plano de treinamento e desenvolvimento de profissionais de enfermagem seja implantado na cidade, conferindo-lhes conhecimento necessário para saber abordar e tratar essa situação.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Freitas RJM de, Lima CLF de, Costa TA de M, Barros A de S, Moura NA de, Monteiro ARM. Intra-family violence against childrenand adolescents: the role of nursing / Violência intrafamiliar contra criança e adolescente: o papel da enfermagem. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 14º de junho de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];13:1154-60. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/8822
Seção
Research
Biografia do Autor

Rodrigo Jácob Moreira de Freitas, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN Universidade Estadual do Ceará - UECE

Enfermeiro. Doutor em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde pelo Programa de Pós-Graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde - PPCCLIS da Universidade Estadual do Ceará - UECE. Docente Adjunto II da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, campus Pau dos Ferros - RN.

Catariny Lindaray Fonseca de Lima, Universidade Potiguar - UNP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Universidade Potiguar – UNP. Mossoró-Rio Grande do Norte-Brasil.

Tereza Amélia de Morais Costa, Universidade Potiguar - UNP

Enfermeira. Graduação em Enfermagem pela Universidade Potiguar – UNP. Mossoró-Rio Grande do Norte-Brasil.

Andressa de Sousa Barros, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN

Graduanda do 5º período em Enfermagem. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – UERN. Pau dos Ferros-Rio Grande do Norte-Brasil

Natana Abreu de Moura, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Enfermeira. Mestre. Docente substituta da Universidade Estadual do Ceará – UECE. Fortaleza-Ceará-Brasil.

Ana Ruth Macêdo Monteiro, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Enfermeira. Doutora. Docente da Universidade Estadual do Ceará – UECE e Programa de Pós-Graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde – PPCCLIS. Fortaleza-Ceará-Brasil.

Plum Analytics

Referências

Ministério da Saúde. Abuso sexual é o segundo maior tipo de violência. Portal da Saúde, 2012.

Ministério público do Distrito Federal e Territórios. Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes: Identificação e Enfrentamento. Brasília-DF;2015.

Reis CM, Prata LCG, Parra CR. O Impacto da Violência Intrafamiliar no Desenvolvimento Psíquico Infantil, São Paulo, Psicologia.pt; 2018.

BRASIL, Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei Federal 8069 de 13/07/1990.

Ministério da Saúde (Brasil). PORTARIA Nº 1,968, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001(*). Dispõe sobre a notificação, às autoridades-competentes, de casos de suspeita ou de confirmação de maus tratos contra crianças e adolescentes atendidos nas entidades do Sistema Unido de Saúde.

Lefevre F, Lefevre AMC. Discurso do Sujeito Coletivo: Representações Sociais e Intervenções Comunicativas. Texto Contexto Enferm, 2014 Abr-Jun; 23(2):502-7.

Algeri S. Violência Intrafamiliar Contra a Criança no Contexto Hospitalar e as Possibilidades de Atuação do Enfermeiro. Rev. HCPA, 2007. 27(2):

GOMES NP. Compreendendo a violência doméstica a partir das categorias gênero e geração. Acta Paulista de Enferm., 2007 Jul-set; 20(4): 504-8.

Tiago da Silva J, Melo S. VIOLÊNCIA INFANTIL: atuação do psicólogo no processo de auxílio à criança. RPSD [Internet]. 1fev.2018 [citado 14fev.2019];4(1):61-4. Available from: http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/197

Egry EY, Apostolico MR, Morais TCP. Notificação da violência Infantil, fluxos de atenção e processos de trabalho dos profissionais da Atenção Primária em Saúde. Ciênc. saúde colet., 2018 Jan; 23 (1): 83-92.

Moreira PDM. Violência e Funcionamento Psicológico na Adolescência: O Papel do Moderador do Suporte Social. Porto. Tese [Mestrado] – Universidade Lusófona do Porto; 2018.

Matos BC, Alves L. Violência Sexual Intrafamiliar de Criança e Adolescente. Várzea Grande. TCC [Direito] – Centro Universitário de Várzea Grande; 2018.

Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Construindo uma Linguagem Comum. In: Violência Intrafamiliar: Orientações para Prática em Serviço. Brasília: Cadernos de Atenção Básica, 2007.

Ministério da Saúde. Temática Prevenção de Violência e Cultura da Paz III. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2008.

Silva PA. Notificação da Violência Intrafamiliar Contra Crianças e Adolescentes na Percepção dos Profissionais de Saúde. Ciênc. Cuid. e Saúde., 8(1), jan./mar. 2009.

Sena BNASR, Teixeira IL, Amorim LF. A Violência Doméstica na Adolescência, sob o olhar da Enfermagem e da Psicologia. Id on Line Rev. Mult. Psic., 2018. 12(40): 292-314.

Carotta F, Kawamura D, Salazar J. Educação Permanente em Saúde: Uma Estratégia de Gestão para Pensar, Refletir e Construir Práticas Educativas e Processos de Trabalhos. Saúde soc., São Paulo, Mar 2009. 18(1): 48-51.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)