Pregnant/puerperal women who use crack: essential needs for reconstructing a drug-free life / Gestantes/puérperas usuárias de crack: necessidades prioritárias na reconstrução de um viver sem drogas

Jeferson Ventura, Mara Regina Santos da Silva, Saul Ferraz de Paula, Maria Helena Gehlen, Adriane Maria Netto de Oliveira

Resumo


RESUMO:

 

Objetivo: identificar a partir da história de vida das gestantes/puérperas usuárias de crack, as necessidades prioritárias que poderiam ajudá-las a reconstruir um viver sem drogas. Metodologia: Trata-se de uma pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso, com três participantes sendo uma gestante e duas puérperas usuárias de crack, cujos dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas, realizadas entre outubro e dezembro/2015. Resultados: Apontaram como prioritárias as necessidades de proteger o filho; necessidade de apoio familiar; necessidade de uma relação de confiança com profissionais; e a necessidade espiritual. Conclusão: Reconstruir um viver sem drogas é um empreendimento coletivo que envolve a família, não apenas como um recurso, mas, também, como objeto de cuidado; os profissionais que precisam rever seus próprios valores e preconceitos; e do poder público, pois a não adesão dessa clientela aos serviços de saúde é uma forma de negligência também com as próximas gerações.


Palavras-chave


Gestantes, Cocaína Crack, Cuidados de enfermagem, Usuários de drogas, Relações Familiares.

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Brasil. Ministério da saúde. Perfil dos usuários de crack e/ou similares no Brasil, Brasília-DF, 2013. 2. Yamaguchi ET, Cardoso M, Capel MS, Torres MLA, Andrade AG. Drogas de abuso e gravidez. Rev. Psiq. Clín 35, supl1; 44-47, 2008. 3. Brasil. Política do Ministério da Saúde. A Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas. 2° edição. Brasília – DF. 2004. 4. Gasparin M, Silveira JL, Garcez LW, Levy BS. Comportamento motor oral e global de recém-nascidos de mães usuárias de crack e/ou cocaína. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2012. 17(4):459-63. 5. Botelho APM, Rocha RC, Melo VH. Uso e dependência de cocaína/ crack na gestação, parto e puerpério. Femina. [Internet]. 2013 Jan/Feb [cited Sept 17];41(1):23-32 6. Cyrulnik B. Resiliência, essa inaudita capacidade de construção humana. Lisboa: Instituto Piaget. 2003. 7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2010. 8. Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre (RS): Bookman; 2010. 9. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): MS; 2012. 10. Elias ACA, Giglio JS. A questão da espiritualidade na realidade hospitalar: o psicólogo e a dimensão espiritual do paciente. EstudPsicol. 2001;18(3):23-32. 11. Oliveira MM, Kantorski LP, Coimbra VCC, Ferreira RZ, Ferreira GB, Cruz VD. Consequências relacionadas ao consumo de crack entre mulheres e motivações para o abandono da droga. SMAD, Rev. EletrônicaSaúde Mental ÁlcoolDrog. 2014sept.-dec; 10(3):119-25. 12. Romanini M, Roso A. Midiatização do crack e estigmatização: corpos habitados por histórias e cicatrizes. Interface - Comunicação, Saúde, Educação. 2014; 18(49), 363-376. 13. Horta RL, Horta BL, Pinheiro RT. Drugs: families that protect and that expose teenagers to risk. J Bras Psiquiatr. 2006;55 (4):268-72.

Fergusson DM, Boden JM, Horwood LJ. The developmental antecedents of illicit drug use: evidence from a 25-year longitudinal study. Drug Alcohol Depend. 2008; 96(1-2):65-177. 15. Rudolph AE, Jones KC, Crawford ND, Fuller CM. The association between parental risk behaviors during hildhood and having high risk networks in adulthood. Drug Alcohol Depend. 2011;118(2-3):437-43. 16. Limberger J, Andretta I. Novas problemáticas sociais: o uso do crack em mulheres e a perspectiva de gênero. CSN 2011-0324. 2015 Jan– apr;15 (4): 41 – 65. 17. Magalhães DEF, Silva M RS. Cuidados requeridos por usuários de crack internados em uma instituição hospitalar. Rev. Min. Enferm. 2010 Jan/ Mar; 14(3):408-415. 18. Sanchez ZvdM, Nappo SA. A religiosidade, a espiritualidade e o consumo de drogas. Rev. psiquiatr. Clín. v.34 supl.1 São Paulo 2007. 19. Sena ELS, Boery RNSO, Carvalho PAL, Reis HFT, Marques AMN. Alcoolismo no contexto familiar: um olhar fenomenológico. Textocontexto – Enfermagem 2011; 20(2):310-18. 20. Portela GLC, Barros LM, Frota N M, Landim APP, Caetano JÁ, Farias FLRD. Percepção da gestante sobre o consumo de drogas ilícitas na gestação. SMAD. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas. 2013 agust; 9 (2): 58-63. 21. Ribeiro M, Laranjeira R. O tratamento do Usuário de Crack. 2ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2012. 22. Teixeira JJV, Lefèvre F. Humanização nos cuidados de saúde e a importância da espiritualidade: o discurso do sujeito coletivo - psicólogo. Mundo Saúde. 2003;27(3):362-8. 23. Bastos FI, Bertoni N. Pesquisa Nacional sobre o uso de crack. (org) Rio de Janeiro: Editora ICICT/FIOCRUZ, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v11.6776 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge
SCImago Institutions Rankings