Psychoactive substances users’ profile / Perfil dos usuários de substâncias psicoativas

Iara Aparecida Borges de Carvalho, Karoliny Silva Menezes, Juliana Macêdo Magalhães, Fernanda Cláudia Miranda Amorim, Marcia Astrês Fernandes, Claudia Maria Sousa de Carvalho

Resumo


Objetivo: Conhecer o perfil sócio demográfico dos usuários de substâncias psicoativas de um CAPS ad III. Método: Pesquisa descritiva explorativa, retrospectiva, de abordagem quantitativa. A amostra foi formada por 302 prontuários selecionados entre os 1411 pacientes cadastrados em um município do Maranhão. Resultado: O perfil sócio demográficos dos participantes são na maioria do sexo masculino, com faixa etária mais expressiva de 29 a 39 anos, solteiros, que estudaram até o ensino fundamental incompleto, reside na cidade da pesquisa, moram com os pais, são autônomos ou desempregados. Observou-se que o álcool foi a droga mais utilizada. Conclusão: O consumo diário de drogas também pode ter contribuído para a constituição das características sócio demográficas apresentadas. Todavia, sabe-se do desejo de reabilitação do dependente químico e o vínculo do mesmo com o profissional habilitado de saúde se torna indispensável para o tratamento. Descritores: Drogas ilícitas. Saúde Mental. Consumidores de drogas.


Palavras-chave


Saúde mental. Drogas ilícitas. Consumidores de drogas.

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Souza, J. Kantorski, L. Embasamento político das concepções e práticas referentes às drogas no Brasil. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. Port.), Ribeirão Preto, v. 3, n.2, 2007.

Inpad. Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas. Levantamento Nacional de Álcool e Drogas. UNIFESP. São Paulo, 2012.

Unodc. Organização das Nações Unidas - ONU. Programa para o Controle Internacional de Drogas. Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. O Desafio das Novas Substâncias Psicoativas. Brasília, 2012.

Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília, Editora: Ministério da Saúde, 2013.

Seibel SD, Toscano Jr A. Conceitos básicos e classificação geral das substâncias psicoativas. In: Seibel SD, Toscano Jr A. Organizadores. Dependência de drogas. São Paulo: Atheneu, 2000.

Gil, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Malhotra et al. Introdução a pesquisa de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

Michel, M. H. Metodologia e pesquisa científica em Ciências Sociais. São Paulo: Atlas, 3 ed. 2005.

Gil, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2011.

Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas - SENAD. Adultos jovens são os principais usuários de crack. Brasília, DF. 2013.

Dalgalarrondo, P. et al. Religião e uso de drogas por adolescentes. Rev. Bras. Psiquiatr. São Paulo, v. 26, n. 2, p. 82-90, Jun. 2004.

Associação brasileira de psiquiatria et al. Projetos e Diretrizes. Abuso e Dependência de Múltiplas Drogas: Rio Janeiro, 2012.

Jorge, M. S. B. et al. Ritual de consumo do crack: aspectos socioantropológicos e repercussões para a saúde dos usuários. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 10, p. 2909-2918, Out. 2013.

Machado, A. R; Miranda, P. S. C. Fragmentos da história da atenção à saúde para usuários de álcool e outras drogas no Brasil: da Justiça à Saúde Pública. Hist. cienc. Saúde. Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 801-821, Set. 2007.

Moraes, M. O modelo de atenção integral à saúde para tratamento de problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas: percepções de usuários, acompanhantes e profissionais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 121-133, Fev. 2008.

Cardoso, L. R. D.; Malbergier, A. A influência dos amigos no consumo de drogas entre adolescentes. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 31, n. 1, p. 65-74, Mar. 2014.

Duan, L., C. et al. Trajetórias de influências sociais de amizades como preditores de longo prazo de uso de drogas desde o início até o final da adolescência. Jornal da Juventude e da Adolescência. V.38, Mar. 2009.

Lopes, A. P.; Rezende, M. M. Ansiedade e consumo de substâncias psicoativas em adolescentes. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 30, n. 1, p. 49-56, Mar. 2013

Silva Junior AG, Mascarenhas MTM. Avaliação da atenção básica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. 3.a ed. Rio de Janeiro: Cepesc/UERJ; 2006.

Laranjeira, R. et al. Consenso sobre a Síndrome de Abstinência do Álcool (SAA) e o seu tratamento. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 22, n. 2, p. 62-71. Jun. 2000.

Maciel, C; Kerr-Correa, F. Complicações psiquiátricas do uso crônico do álcool: síndrome de abstinência e outras doenças psiquiátricas. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 26, supl. 1, p. 47-50, Maio, 2004.

Figueiredo, V. V; Rodrigues, M. M. P. Atuação do psicólogo nos CAPS do Estado do Espírito Santo. Psicol. estud., Maringá, v. 9, n. 2, p. 173-181, Agosto. 2004.

Dimenstein, M. O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicol. Estud., Maringá, v. 6, n. 2, p. 57-63, Dez. 2001.

Brasil, Ministério da Saúde. Saúde Mental no SUS: os centros de atenção psicossocial. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

Guimaraes, C. F. et al. Perfil do usuário de crack e fatores relacionados à criminalidade em unidade de internação para desintoxicação no Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre (RS). Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 101-108. Agosto, 2008.

De boni, R. et al. Tratamento. In: SENAD. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. – 5. ed. – Brasília:SENAD, 2013.

Fontes, A et al. Redução de danos – uma abordagem legítima para lidar com o consumo de substâncias psicoativas. In: FIGLIE, N. B; BORDIN, S.; Laranjeira, R. 3 ed. Rio de Janeiro: Ed. Roca, 2004.

Rabello, P. M. et al. Violência contra a mulher, coesão familiar e drogas. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 6, p. 970-978, Dez. 2007.

Marques, A. C. P. R.; Cruz, M. S. O adolescente e o uso de drogas. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 22, supl. 2, p. 32-36, Dez., 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7095 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.